11 maio 2006

O valor de um brasileiro (4)

Esta série é uma singela homenagem aos senadores verdadeiramente NANICOS (Renan Calheiros, Heloisa Helena, Sarney etc).

O eleitorado de Alagoas, que elegeu Heloísa Helena, ex-PT agora PSOL, João Tenório (PSDB) e Renan Calheiros (PMDB, olha ele aí de novo) um brasileiro também vale muito. Esse estado com 1.790.212 eleitores representa apenas 1,49% do eleitorado brasileiro. Este percentil ainda é muito inferior ao que se dá de gorjeta ao garçon, e também inferior a faixa de erro de qualquer pesquisa de opinião regular.

O senador João Tenório do PSDB pode até ser boa pessoa. Mas, sem receber nenhum voto, porque é suplente de Teutônio Vilela Filho (este sim, recebeu votos), não representa absolutamente ninguém. Faz parte da Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência - CCAI, que fiscaliza a ABIN. Durante os seis meses entre 2003 e 2004, e novamente empossado este mês no Senado, em todo esse tempo não fez qualquer pronunciamento, e só fez um requerimento à mesa. Uma homenagem post-morten a outro senador por alagoas.

Nas votações em que participou, em 2004, quando não estava ausente e votou "sim", a matéria foi rejeitada e nas duas vezes que votou "não", a matéria foi aprovada.

Como pode, um sujeito que não recebeu um único voto assumir um mandato no Senado Federal, mais do que representando, personalizando um Estado? No caso de vacância deveria assumir o segundo mais votado, no mínimo. Apenas um por cada Estado é mais do que suficiente para representar o Estado.

No caso de Heloisa Helena, apesar de ter pedido a cassação do senador Romero Jucá por falta de decoro parlamentar em atos ilícitos, já citado aqui anteriormente, não conseguiu coisa nenhuma, e vai ficar por isso mesmo. Outra ação correta, que lamentavelmente vai ficar por isso mesmo, foi a denúncia de que o Lulinha é o dono da Gamecorp. A denúncia procede, mas não é assunto para um senador. Aliás esta senadora tudo que fez em seu mandato, além de denúncias partidárias, típicas da militância do PT, foram acusações que não deram em nada, propostas que não foram aprovadas, algumas até corretas. Mas acima de tudo, aparecer na mídia para preparar a sua base midiática para a candidatura à presidência da república. Mais nada.

O senador Renan Calheiros autorizou o referendo acerca da comercialização de arma de fogo e munição em território nacional. Aliás, deixa eu abrir um parêntese na análise da validade do senador Renan Calheiros para lembrar a você leitor, uma questão muito importante.

Me lembro bem, que o atual vice da Heloísa Helena o sr. Temer (ex-deputado federal pelo Rio de Janeiro) achou um absurdo a convocação desse referendo porque perguntando ao povo, o povo poderia votar o NÃO, como de fato ocorreu, e ele também fazia campanha pelo SIM. Este senhor é um fascista e se diz democrático, e sempre foi do PT, agora PSOL.

Voltando ao senador Renan, e ainda sobre as armas, ele fez o Requerimento para o registro da Frente Parlamentar Por Um Brasil Sem Armas à Mesa do Congresso Nacional e conseguiu ser a figura de frente dessa Frente.

Não satisfeito, elaborou o projeto de lei do senando que Proíbe a comercialização de armas de fogo e munições em todo território nacional, colocou em votação e o projeto de lei foi aprovado no senado, e na verdade não vale nada porque o referendo o anulou. Isto prova que o senado, assim como a Câmara, não estão afinados com a vontade popular. Portanto, não representam o povo brasileiro, mesmo que um dia o povo brasileiro tenha votado neles. Depois disso tudo, ele ainda tentou criar a Bolsa-Cidadão. Mas o populismo barato ficou prejudicado parado no senado, sem solução. Não conseguiu criar o Bolsa-Cidadão. O "engavetador de impeachment e CPI's", perdeu de novo. tsc, tsc...

Uma curiosidade, exatamente nas regiões onde o brasileiro vale mais, os senadores eleitos valem menos. Considerando cada eleitor como unidade de valor.
Share |

9 Comentários:

Blogger Alexandre, The Great said...

Camarada, sua análise está excelente. A relação custo X benefício nunca esteve tão desfavorável para o povo quanto neste mandato parlamentar e, principalmente, com este sistema eleitoral que temos.
Embora falando de Alagoas, temperas de forma "apimentada" o final do post com a sarcástica figura de ACM.

11 maio, 2006 18:27  
Blogger S0MBR4 said...

Cada vez melhor a série...

Só não gostei da proposta de empossar o 2o lugar...

Deveria existir algo do tipo: (1) senador que vai para outro lugar perde o lugar... (2) estado que o senador traí o eleitor, perde a vaga!

Um sistema punitivo aos estelionatos eleitorais...

11 maio, 2006 19:02  
Blogger Camarada Arcanjo said...

Sombr4,
Também é uma boa idéia. Está anotada. rsrs
Mas para impor ordem, precisamos de judiciário eleitoral sério, atuante, e ISENTO e por tanto com autoridade moral.

11 maio, 2006 21:33  
Blogger Santa said...

Camara,
Perfeita análise!!Parabéns!
Bjs

12 maio, 2006 01:33  
Blogger Santa said...

Camarada,
Perfeita análise!!Parabéns!
Bjs

12 maio, 2006 01:34  
Blogger Kafé Roceiro said...

É uma bandalheira Federal!
abraço,
Kafé.

Quanto ao que disse sobre referir ao meu blog, vc tem total liberdade, cara!
Forte abraço, e também obrigado.
Kafé.

12 maio, 2006 10:55  
Anonymous Jarbas Cordeiro de Campos said...

Solidez democrática
A estabilidade política no Brasil é tão sólida que o inimaginável, acontece. O Senador Renan Calheiros ex-da tropa de choque do Collor e o então vice-presidente sucessor Itamar confabulando ou parlamentando. É Lula testando sua autoridade e representação popular. A historia de Jango foi diferente. É, realmente o Brasil mudou para melhor, os historiadores que registrem.

Renan Calheiros e Itamar Franco, este ultimo sentado na cadeira do presidente. O que pensam ? E o que poderia fazer, diante dos fatos e da realidade brasileira é inimaginável. Renan da tropa de Collor e Itamar vice do então. Tentações. O transitório e o temporário especulando sobre a situação do ocupante que abriu caminho para os dois e hoje se vê na berlinda, tido e havido pela oposição por responsável pela bandalheira governamental e congressual. É tentador, para os dois. Dali de onde estão por telefone, com poucos movimentos, Lula não poderia voltar ao Pais e quem achar ruim vai preso, seja do MST ou da CUT. É pura imaginação, mas já foi realidade.

Lula é maluco. Arriscar entregando a Renan a Presidência com Itamar por perto e com José Sarney apoiando. Quero o Lula fora de lá, mas não desse jeito.

Fonte: jornalista Jarbas Cordeiro de Campos,
em 10/05/2006, no Blog Brasília em Foco, http://blog.uai.com/blog/jarbasjr/CCC





.

13 maio, 2006 00:40  
Blogger Peninha said...

Acho que o Sombr4 está certo, com uma ressalva.
Os milicos criaram o "terceiro" senador, que era votado indiretamente.
Por que a esquerda não elimina esse ranso da ditadura?
Dois já é demais.
A função deles é fiscalizar o executivo, e diga-se de passagem o fazem muito mal já que o que mais fez esse desgoverno foi trapassa e tramoia.
Quer fazer discurso?
Compra um banquinho e vai na Praça da Sé e fala o quanto quizer.

13 maio, 2006 21:18  
Blogger luciano said...

Para mim, cada vez que se toca no termo "senador", já penso em armações, roubo, picaretagem...

14 maio, 2006 02:20  

Postar um comentário

<< Home